Veja também:

 

» Eventos
» Jornal Ibiti



PISCINA E DENGUE


Notícia publicada em 19/09/2017 - Visualizada 513 vezes


Nesta edição traremos à tona dois temas que para alguns pode não haver relação, mas esta existe e tem se tornado cada vez mais intrínseca. Pois, Piscina e Dengue tem muito mais em comum do que se possa pensar. Para dar inicio a estes temas partimos da primeira parte de tudo isto PISCINAS.

 

A história da piscina

 

Apalavra “piscina” é derivada do latim “pisces” que significa “peixe”. Pois, a princípio as piscinas nas casas romanas eram destinadas a criação de peixes, um verdadeiro “viveiro de peixes”, antes de se começarem as práticas de natação. Hoje o significado da palavra piscina seria “tanque de água destinado a práticas de natação, esportes aquáticos e recreação”. Apesar de o Brasil ser um país tropical, com abundância em sol e calor, só passamos a utilizar as piscinas há poucas décadas, sendo a mais antiga construção de piscina registrada no país, na década de 1920.

 

Olhando para o passado e buscando o inicio desta corrente, sabe-se que o assunto utilização de piscina por seres humanos vem desde a época das pirâmides do Antigo Egito que remontam a 2.500 a.C.

 

Já, no Japão, existem relatos do uso de piscina há mais de 2.000 anos, mas foi somente no século XIX que a mesma  tornou-se  popular no ocidente.  No período de 1761 a 1781  registros das primeiras piscinas públicas na Europa se fizeram. Enquanto no Oriente Médio, após anos de batalha os combatentes das Cruzadas no séc. XII introduziram na Europa também um costume árabe que era o banho público.

 

Porém, em pouco tempo, as pessoas que frequentavam estes lugares, passaram a ter uma má reputação, pois estes locais tornaram-se prostíbulos, onde reinava o sexo fácil e a prostituição. Entre 1154 e 1189, no reinado de Henrique II, muitas casas de banho se estabeleceram na margem do rio Thames, ao sul da cidade de Londres, esta atividade passou a ser chamada de “bagnos”, palavra italiana bagno. Enquanto que no período de Henrique  VI, no século XV, estas “casas de bagno” foram fechadas, mas a demanda era tão grande que ele foi forçado a reabrir rapidamente, limitando o número destas.


Finalmente em 1546, Henrique VIII, fechou, definitivamente, todos os ´´bagnos´´ ou ´´stewhouses´´ na Inglaterra.

 

Ao contrário do que  sabemos do período obscuro e sombrio da Idade Média, na Europa, entre os anos 500 e 1.500 d.C. , os banhos públicos eram usados, frequentemente.

Mesmo com a crescente reprovação da igreja, que proibia, principalmente, os banhos das mulheres.


Por isso, com a difusão do Cristianismo, os banhos públicos degradaram-se, rapidamente, principalmente, as piscinas que eram, cada vez mais, utilizadas para os rituais de batismo.  Com o tempo, as piscinas ou tanques das igrejas ficaram menores, virando Pias batismais.


Durante o período do Renascimento ou Renascença (entre 1500 e 1600 d.C) os banhos públicos, praticamente, desapareceram na Europa, devido à Peste Negra que assolou o continente por muitas décadas.
A sofrida população da Europa estava convencida que a higiene pessoal facilitava a contaminação desta doença catastrófica. Os banhos eram cada vez mais evitados e a sujeira era considerada, até o final do século XVII, uma eficiente proteção contra as epidemias, principalmente, a Peste.

 

.Peste negra (ou Morte negra) é o nome pela qual ficou conhecida uma das mais devastadoras pandemias na história humana, resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia

 

No séc. XVII existiram, novamente, balneários com piscinas públicas, mas a água ainda não era tratada. Por isso os banhistas  continuavam expostos a inúmeras doenças. O banho público ainda era um Evento Social, o que ainda pode ser constatado, em fotos da época onde se ve as pessoas bebendo, comendo e curtindo a diversão da água. Até algumas décadas passadas, ou talvez mais, as piscinas não possuíam água tratada. Estas sem cloro, sem filtração, sem proteção, os banhistas eram expostos a inúmeras doenças. O tratamento das piscinas andou junto com a evolução da natação, porque a necessidade de aperfeiçoamento para que os praticantes pudessem ter o uso das mesmas, para seus treinos foi ter mais higiene, maiores espaços  e mais privacidade.

 

E assim começam a surgir os primeiros métodos de tratamento da água para as piscinas, isto se deu ao mesmo tempo do inicio das competições, em 1800. Com os Jogos Olímpicos modernos, em 1896, a popularidade das piscinas começou a se espalhar.

 

Tanto que com a popularidade destas, as piscinas tornaram-se objeto de status e glamour para começarem a ser construídas em residências. Assim com a propagação das mesmas, o sonho de se ter uma piscina em casa chegou ao alcance de mais pessoas e passando a ser considerada área de lazer e de encontro.

 

DENGUE

A História da Dengue

 

A Dengue é uma doença  infecciosa causada por um arbovírus (são 4 diferentes vírus: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4), que estão em áreas tropicais e subtropicais do mundo, inclusive no Brasil. As epidemias geralmente ocorrem no verão, após períodos chuvosos.. Transmitida pelo Aedes aegypti - este mosquito pica seres humanos para se alimentar de seu sangue. Além da Dengue, temos a Dengue Hemorrágica e a Dengue Tipo 4.


O avanço do vírus tipo 4 da dengue pelo Brasil é uma ameaça à saúde pública. Não pelo vírus em si, que não é mais nem menos perigoso do que os tipos 1, 2 e 3, mas pela entrada em ação de mais uma variação do micro-organismo.  As primeiras epidemias que foram relatadas ocorreram em 1779-80 na Ásia, África e América do Norte. Durante essa época, a doença era considerada não letal e que atingia os visitantes dos trópicos. Em geral, houve grandes intervalos (10-40 anos) entre as epidemias; principalmente por que a virose só podia ser transmitida entre as populações que viajavam de barco para outras partes do mundo.Uma epidemia global teve início no Sudeste da Ásia durante a Segunda  Guerra Mundial, e tem se intensificado nos últimos 15 anos. De 1975 em diante, a Dengue tornou-se uma das maiores causas de  hospitalizações e morte entre crianças. Na década de 1980, a dengue hemorrágica começou a se expandir no Sri Lanka e na Índia. Após uma ausência de 35 anos, a Dengue epidêmica voltou a atingir Taiwan e China. Cingapura também sofreu um ressurgimento da doença de 1990 a 1994, apesar de ter adotado um programa de prevenção à Dengue que havia evitado significativamente a transmissão da doença no país, por mais de 20 anos.

 

A emergência da dengue e dengue hemorrágica tem sido mais grave nas Américas. Numa tentativa de evitar a febre amarela urbana, que também é transmitida pelo Aedes aegypti.  

 

A Organização Pan Americana de Saúde fez uma campanha que erradicou o mosquito de grande parte das Américas , Sul e Central, entre 1950 e 60. Mas o programa de erradicação do Aedes aegypti foi oficialmente interrompido nos Estados Unidos em 1970, e foi também deixado de lado em outros países das Américas. Consequentemente, esta espécie de mosquito começou a infestar novamente países nos quais havia sido erradicado. Quando em 1997, a distribuição geográfica do mosquito tornou-se ainda maior que antes de seu programa de erradicação.

 

A expansão global da Dengue é comparada à da malária. Um número estimado em 2,5 bilhões de pessoas vive em áreas de risco de transmissão da epidemia. Todo ano, ocorrem dezenas de milhões de casos de dengue, e dependendo do ano, centenas de milhares de casos do tipo hemorrágico. A média de fatalidade desta espécie de dengue é aproximadamente 5%, na maioria dos casos são crianças e adolescentes.

 

Jarbas Barbosa, um médico brasileiro que encabeça a Organização de Saúde Pan-Americana, declarou para a imprensa internacional que o mosquito da dengue, o Aedes aegypti, encontrou um ambiente favorável em cidades no Brasil onde há muito crescimento populacional e uma falta de infraestrutura.

 

Enfim, para conclusão da relação pertinente que existe entre Piscina e Dengue, podemos ver que os temas se relacionam desde muito tempo. No passado o fato de não ter havido higiene a pandemia da Peste Negra dizimou milhões de pessoas, atualmente, nos deparamos com a Dengue que também esta relacionada com a falta de limpeza e infraestrutura em muitas regiões, com estatísticas de pessoas infectadas e que foram a óbito. Manter as piscinas tratadas devidamente, não permitir o acúmulo de água parada em qualquer que seja o lugar, até mesmo em um copo descartável, um pequeno prato plástico de vaso, ou seja, o que for. A responsabilidade do ser Humano em entender e saber que atitudes devem ser tomadas, constantemente, é irreversível, pois o mosquito não delimita paredes, não se constrange, não escolhe aonde vai proliferar, nem a quem vai picar, mas sim busca o melhor lugar e o mais apropriado para sua propagação.  Entenda-se que como moradores e proprietários dentro de um condomínio, ou seja, em qualquer parte temos a obrigação e não só o dever de cuidarmos de tudo o que está ao nosso redor. Seja o que for, começando com a limpeza adequada; cloração de nossas PISCINAS, observação de  nossos jardins, nossos vasos, recipientes sem acúmulo de água, todo lugar com água parada e um lugar propício para o desenvolvimento do MOSQUITO DA DENGUE.                                      

 

Luciana R. Rusalen Figueira - Professora, Tradutora e Intérprete.

 

Fontes Bibliográficas:

http://www.piscinasplanalto.com.br/a-historia-da-piscina/  

http://revistapiscinaseafins.com.br/blog/

http://www.sorocaba.sp.gov.br/dengue/doenca/

https://www.10emtudo.com.br/artigo/epidemia-a-dengue/

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-01/entenda-diferenca-entre-zika-dengue-e-chikungunya

 

 

 

 

Leia também

Leia também

Leia também

Leia também

Leia também

Ver todas notícias

Banner